PROJETOS DE PESQUISA

Project Director
Rogério Sobreira

Financing Innovation and Development: The Role of Public Banks and Non-Banking Public Institutions. The Cases of Brazil, India and China.

O principal objetivo deste projeto é entender a estrutura do sistema financeiro e, em particular, do sistema financeiro público como ferramentas para proporcionar estabilidade financeira e financiamento de longo prazo para o desenvolvimento e a inovação (atividades de melhoria de produtividade que incorporam risco e incerteza). O projeto vai perseguir esse objetivo promovendo uma análise comparativa entre Brasil, Índia e China. Através da análise desses casos, buscar-se-á produzir propostas de reforma institucional e recomendações de política que alimentem os diálogos e ajudem a enriquecer o conjunto de ferramentas de decisores políticos e reguladores.

Ao longo dos últimos anos - principalmente dos últimos três anos - MINDS tem promovido a discussão sobre o financiamento para o desenvolvimento e para a inovação enfatizando o conceito de funcionalidade do sistema financeiro e o papel desempenhado por instituições financeiras públicas, com destaque para os bancos de desenvolvimento.

A pesquisa atual da MINDS é fundamentada nas abordagens teóricas pós-keynesiana e schumpeteriana, e procura demonstrar que a presença de um setor financeiro público que está apto e disposto a trabalhar para a estabilidade econômica e para o desenvolvimento ajuda a suavizar o ciclo Minskyiano de expansão do investimento no qual o aumento da fragilidade financeira e/ou da vulnerabilidade externa tende a parar toda a expansão da economia. Logo, a funcionalidade da estrutura institucional existente no sistema financeiro não é um detalhe. É uma característica-chave para ajudar a construir um caminho mais robusto de mudança econômica em que o crescimento mais rápido produz menos instabilidade financeira e vulnerabilidades econômicas.

Project Director
Felipe Rezende

Financial Governance, Banking and Financial Instability in Brazil: Analysis and Policy Recommendations

Este projeto tem por objetivo estudar a estrutura do sistema financeiro brasileiro e seu quadro regulatório, com destaque para as suas mudanças recentes, a fim de identificar as - antigas e novas - fontes de estabilidade e instabilidade, e sugerir políticas para reformar a arquitetura financeira do Brasil com vistas a aumentar a estabilidade sistêmica, bem como a capacidade de fornecer financiamento para o desenvolvimento.

A pesquisa irá mapear as mudanças no cenário financeiro mundial após a crise, mas se concentrará na transformação do sistema financeiro brasileiro em direção a estruturas não bancárias de criação de liquidez e suas implicações para a elaboração de propostas de políticas reguladoras que se dirijam a elas. Em particular, com base na abordagem de Minsky, o projeto vai enfatizar as implicações do desenvolvimento de fontes alternativas de liquidez, tal como o crescimento dos títulos lastreados em ativos e dos mercados de títulos lastreados em hipotecas, bem como a interação entre os novos criadores de liquidez e as instituições bancárias tradicionais para a criação de oportunidades de arbitragem regulatória e a transmissão de instabilidade na economia.

A resistência e a estabilidade do sistema financeiro do brasileiro tem recebido atenção pela forma como navegou de maneira relativamente suave pela crise financeira global de 2007-2008 e pelo colapso do sistema bancário paralelo. Formuladores de políticas e reguladores  têm apontado para a robustez do sistema financeiro do Brasil e para a sua capacidade de resistência à crise financeira global, em contraste com as condições que existiam no sistema financeiro dos EUA antes da crise do "subprime". A economia brasileira experimentou um período de relativa estabilidade econômica e de rápido crescimento do crédito bancário doméstico nos últimos 10 anos. No entanto, uma característica marcante de períodos anteriores a crises financeiras é que eles validam práticas mais arriscadas. Nesse sentido, períodos de crescimento e tranquilidade validam as expectativas e as estruturas financeiras existentes, o que muda a dinâmica do comportamento humano levando à instabilidade endógena.